Artigo: deputado Gustavo Corrêa critica modelo de venda da Codemig

0
133
(Last Updated On: 13/04/2018 17:01)

Artigo do deputado estadual Gustavo Corrêa critica o caos financeiro do governo de Minas Gerais, que desde 2015 estaria afetando serviços essenciais à população como saúde, educação e segurança. Corrêa comenta que para fazer caixa, o governo estaria adotando um modelo inadequado para privatizar a Codemig.

Artigo: *Gustavo Corrêa

A leviandade que vem do Executivo

Ainda me espanto com a desfaçatez de porta-vozes do governador Fernando Pimentel em suas tentativas de encobrir o caos financeiro e administrativo instaurado em Minas a partir de 2015. Nosso estado encontra-se esfacelado. Áreas essenciais à população – saúde, educação e segurança – regrediram décadas e estão sucateadas. Sem contar o calote, que é geral!

O governador não paga as prefeituras, servidores e fornecedores. Mesmo com recursos extras, como quando confiscou quase R$ 5 bilhões dos depósitos judiciais ou parou de pagar a dívida com a União, nunca houve nenhum movimento do governo para colocar em dia o pagamento dos servidores ou quitar as dívidas bilionárias que se acumulam.

A arrecadação de impostos em 2017 foi de R$ 56,5 bilhões, alta de 10,92% na comparação com 2016. A pergunta que não quer calar é para onde está indo todo o dinheiro se o calote está generalizado e, até hoje, não foi realizado um só investimento relevante para o estado?

Nesse caos, vem aos jornais o atual presidente da Codemig, Marco Antonio Castello Branco, acusar a oposição de impedir a recuperação das finanças estaduais. Ora, essa acusação é simplesmente uma mentira. Tenta fazer acreditar que o atropelo do governo para privatizar “a jato” a Codemig e vender seu mais valioso ativo, o nióbio, tem como objetivo colocar as contas do estado em dia. Não é verdade.

A verdade é que Pimentel precisa recompor, rapidamente, um caixa para tentar, em ano de eleição, reduzir o desgaste da sua má gestão. Não precisa ser vidente para saber como quer gastar o dinheiro que pretende arrecadar com a cisão da Codemig. Vai pagar a Previdência, como permite a Lei de Responsabilidade Fiscal, e o recurso hoje usado para a Previdência será destinado para reduzir o calote às vésperas das eleições.

O fato é que o dinheiro que se pretende arrecadar com a venda da reserva do nióbio, cerca de R$ 6 bilhões, não paga duas folhas de pessoal do estado e logo após as eleições todas as contas do governo estarão novamente em atraso.

De acordo com relatório do Tribunal de Contas do Estado (TCE), o processo de cisão da Codemig representa um alto risco de dano ao erário público, pois se ampara em um estudo deficiente. Haverá uma perda patrimonial futura bilionária.

Pimentel raspou o tacho e precisa agora levantar recursos. Na ânsia, nem sequer esperou a tramitação no Legislativo do projeto que prevê a cisão da Codemig. Contrariando completamente a Constituição mineira, criou uma nova empresa, a Codemge, sem a aprovação legal de 3/5 dos deputados.

Esse foi um dos motivos que levaram o TCE a suspender a cisão, cobrando explicações para o atropelo e obscuridade no processo e para a falta de transparência em relação à aplicação que será dada aos recursos.

Em vez de acusar a oposição de criar obstáculos, o presidente da Codemig deve vir a público explicar as denúncias feitas pela imprensa sobre o descumprimento da decisão do TCE e sobre a situação dos servidores transferidos atabalhoadamente para a Codemge, que já nasce manca, uma vez que não conta com os recursos do nióbio, que representam 86% da receita da Codemig.

Acreditam enganar quem? Investidores? TCE? Os mineiros? Ou todos juntos?

A leviandade, para usar o termo que o presidente da Codemig quis atribuir à oposição, infelizmente existe, mas é do Executivo. A oposição não é contrária à privatização. O que não podemos permitir é que, para bancar a gastança sem freios, Pimentel se desfaça de um patrimônio valioso a toque de caixa. O nióbio de Araxá tem reserva para mais de 400 anos, representa 75% da produção mundial e pertence aos mineiros.

* Gustavo Corrêa é deputado estadual (DEM) e líder do bloco de oposição na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG)

As opiniões expressas nos artigos são responsabilidade de seus autores.
Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here